Páginas

sábado, 1 de setembro de 2012

Poeminha do Azul

O azul com o vermelho arroxeia
O Mar é azul, mas também é verde
Azul com A/mar..elo...é a seleção
A Lua azul é branca, mas o céu azul é azul mesmo (com nuvens brancas...)

Só não entendo mesmo é por quê o azul é chamado de azul...


domingo, 3 de junho de 2012

Cinema

O bom e velho cinema me levou hoje, ao meio-dia, para uma experiência no Cazaquistão, e depois, às 16:30, para uma outra bela viagem pela belíssima Finlândia....assim como há bem poucos dias, para Portugal e Irã......e (vi) vendo estas histórias tão singulares como universais...percebo que as diferenças são paisagens, são línguas e não mais, porque as esperanças, angústias, felicidades e tristezas...são iguais!

Poesia

"A maior riqueza do homem é a sua incompletude.
Nesse ponto sou abastado.
Palavras que me aceitam como sou - eu não aceito.
Não aguento ser apenas um sujeito que abre as portas, que puxa as válvulas, que olha o relógio, que compra pão às 6 horas da tarde, que vai lá fora, que aponta lápis, que vê a uva etc. etc.
Perdoai.
Mas eu preciso ser Outros.
Eu penso renovar o homem usando borboletas."

Manoel de Barros

Nostalgia


" Mas quando eu repousar em cova rasa, e Deus estrela ou flor fizer de mim,


Estrela eu fico sobre a tua casa, flor humilde abrirei no teu jardim".

Cores explodindo nas pinturas de Michael Page, artista norte-americano que vive em São Francisco, Califórnia.


Frase

"Sem paixão não dá nem pra chupar um picolé."


Nélson Rodrigues (100 anos)

A beleza do campo nas pinturas de Jian Chong


Tchú, Tchá, Twist and Shout!

Eu já ia começar a criticar estas músicas que falam em "tchá, tchô, tchêrerere" e tal e coisa...e aí fui ouvir Twist and Shout dos meus queridos Beatles....e ver a tradução....enfim, resolvi ficar quietinho...hehehe


"Gire e Grite
Bem, dance agora baby (dance agora)
Gire e grite (gire e grite)
Vamos, vamos, vamos, vamos lá baby (vamos lá baby)
Vamos lá, vamos dar certo juntos (vamos dar certo juntos)

Bem, vamos dar certo juntos, amor (Vamos dar certo juntos)
Você sabe que está tão bonita (Está tão bonita)
Você sabe que você me tem agora (me tem)
Assim como eu sabia que o faria (como eu sabia que o faria)

Bem, dance agora baby (dance agora)
Gire e grite (gire e grite)
Vamos, vamos, vamos, vamos lá baby (vamos lá baby)
Vamos lá, vamos dar certo juntos (vamos dar certo juntos)

Você sabe que gira, garotinha (gira, garotinha)
Você sabe que gira tão bem (gira tão bem)
Vamos, gire um pouco mais perto agora (gire um pouco mais perto)
E me deixe saber que é minha (me deixe saber que é minha)"



* Isso não é uma crítica aos Beatles, mas sim, um flagrante de meu preconceito...

Adelson Filadelfo do Prado (Vitória da Conquista BA 1944)


quarta-feira, 21 de março de 2012

Dando uma Chance para a Paz

"Finalmente uma notícia refrescante no meio da fogueira de ameaças e profecias apocalípticas que cercam as relações entre os arquiinimigos Israel e Irã.

Cansados de ouvir os dois governos batendo tambores de guerra, um casal israelense lançou uma campanha para estender a mão aos iranianos, sem intermediários. Ou melhor, por meio do intermediário universal, o Facebook.

Ronny Edry e Michal Tamir, artistas gráficos de Tel Aviv, publicaram na rede social fotos suas com os filhos e os dizeres: “Iranianos, nós nunca bombardearemos seu país. Nós amamos vocês”."
 



Continue lendo aqui: http://marceloninio.blogfolha.uol.com.br/2012/03/20/em-israel-paz-e-amor-ao-ira/



Aventuras de uma filha no quarto dos pais (Eliane Brum)


Uma reflexão sobre o lugar dos afetos e a anatomia da família

Até a noite da quarta-feira passada, para mim eram três os grandes mistérios do universo: a existência da “partícula de Deus”, se Capitu traiu ou não Bentinho, o paradeiro dos ossos de Ulysses Guimarães. De repente, tudo mudou. 
E eu descobri que havia apenas um mistério sobre o qual valia a pena me debruçar. 
E não apenas isso, que este era todo o mistério possível desde que me tornei uma bípede precoce e tresloucada, batendo a cabeça pelas paredes do apartamento da família, aos nove meses de vida. 
Aconteceu como costumam acontecer os grandes acontecimentos. Sem anúncios do Banco Central, sem qualquer menção no calendário maia. Só eu e a minha solidão diante do universo insondável. 

terça-feira, 20 de março de 2012

We Take Care Of Our Own - Bruce Springsteen

"Eu andei batendo à porta que leva ao trono
Eu andei procurando o mapa que me leva até casaEu andei tropeçando em bons corações que viraram pedraA estrada das boas intenções secou completamente*
Nós tomamos conta de nós mesmosNós tomamos conta de nós mesmosOnde quer que essa bandeira tremuleNós tomamos conta de nós mesmos
De Chicago até Nova OrleansDo músculo ao ossoDa casa humilde ao Estádio Super DomeNão há ajuda, a cavalaria ficou em casaNão há ninguém ouvindo o som das trombetas
Nós tomamos conta de nós mesmosNós tomamos conta de nós mesmosOnde quer que essa bandeira tremuleNós tomamos conta de nós mesmos
Onde os olhos, os olhos com desejo de verOnde os corações, que atropelam com misericórdiaOnde está o amor que não me abandonou?Onde está o trabalho que libertará minhas mãos e a minha alma?Onde está o espírito que reinará, reinará sobre mim?Onde está a promessa da Costa Leste à Costa Oeste?**Onde está a promessa da Costa Leste à Costa Oeste?
Onde quer que essa bandeira tremuleNós tomamos conta de nós mesmos
*"Seco como um osso", isto é, "completamente seco".**"De um mar brilhante ao outro" remete às costas atlântica epacífica dos EUA, ou seja, "por todo o país"http://www.vagalume.com.br/bruce-springsteen/we-take-care-of-our-own-traducao.html



Outono

"De madrugada pensei nos versos de T.S. Eliot, pensei muitas vezes, muitas vezes.
As palavras me doíam e ainda doem:

“Abril é o mais cruel de todos os meses/ mas ainda estamos em março”.

É verdade, ainda estamos em março.

De madrugada as sombras são todas iguais.

Lembrei-me então da chegada do Outono, a estação do ano que me fascina.

Os dias mais escuros, as árvores mais escuras, os rostos mais escuros, os gestos mais escuros, as palavras mais densas, o tempo que se esvai aos poucos, sem que se perceba.

Afinal, de novo o Outono.

Toda as lembranças de tantos Outonos, amores perdidos para sempre, imagens que nunca mais recuperei, os dias derradeiros esquecidos num calendário, silêncios que ardem por dentro do ser ausente.

Afinal, o Outono que haverá de me abrigar, a mim e alguns poemas, alguma poesia que ainda resta, algum olhar que ainda nascerá em um rosto, algum triste sorriso numa boca, algum beijo que tocará a alma.

Gosto do Outono porque os dias são sempre indefinidos, de sua certeza somente um pequeno cinza percorrendo as coisas todas, com um lirismo que não se encontra mais.

O Outono e suas palavras invisíveis, um pouco de frio, um pouco de chuva, um pouco do passado que não existe mais mas faz parte de todas as histórias.

Guardo em mim que tudo se inicia no Outono.

Todos os poemas ainda possíveis.

Todo amor ainda possível.

Todo encanto ainda possível.

Todo o possível ainda possível.

Onde estará meu Outono distante?

Trago o Outono no bolso, onde guardo algumas estrelas cadentes. As palavras que esqueci.

Os amores que não existem mais.

O Outono começa dentro de mim.

Mas está chovendo dentro de mim.

 Chove uma chuva de tanto tempo.

Uma chuva sempre ao final da tarde, como a tarde ainda existisse.

Tentarei sair de mim ao anoitecer, com meu guarda-chuva vermelho.

Com minha ausência vermelha.

Com meu casaco de silêncios."

Álvaro Alves de Faria

Jovens com síndrome de Down vão representar Brasil na ONU

http://fantastico.globo.com/Jornalismo/FANT/0,,MUL1679151-15605,00-JOVENS+COM+SINDROME+DE+DOWN+VAO+REPRESENTAR+BRASIL+NA+ONU.html
"Se tens um coração de ferro, bom proveito. O meu, fizeram-no de carne, e sangra todo dia." 
José Saramago 

Cartazes de circos franceses (entre 1885 e 1925)


Acompanhe ao vivo o nascimento de um filhote de Águia pela internet.

Projeto americano instalou uma câmera para acompanhar, em tempo real, o nascimento de uma águia: 
http://www.ustream.tv/decoraheagles
"E aliás, cá pra nós, até o mais desandado,
Dá um tempo na função, quando percebe que é amado"
Criolo 

E o Mundo não se Acabou (Assis Valente)

"Acreditei nessa conversa mole
Pensei que o mundo ia se acabar
E fui tratando de me despedir
E sem demora fui tratando de aproveitar
Beijei na boca de quem não devia
Peguei na mão de quem não conhecia
Dancei um samba em traje de maiô
...e o tal do mundo não se acabou!"




Estado de Minas localiza Tonho e Cacau, a dupla que estampou a capa do Clube da Esquina há 40 anos

Veja reportagem: http://www.divirta-se.uai.com.br/html/sessao_19/2012/03/18/ficha_musica/id_sessao=19&id_noticia=50783/ficha_musica.shtml

My Mommy is Beautifaul (Yoko Ono)

"My Mommy is beautifaul" é um tributo a todas as mães do mundo, de cada um de seus filhos; Uma celebração do amor que nutre a todos nós. 
http://mymommyisbeautiful.com/

Uma das primeiras gravações da voz humana, o inventor Thomas Edison:


O Dia Em Que o Sol Declarou o Seu Amor Pela Terra

"Terra terra terra terra amor
Eu sou o sol
Sou eu que brilho
Pra você meu amor
Eu sou o sol
Eu sou o astro rei
A maravilha cósmica
Que Deus fez
Por isso eu lhe dou
De presente
Todo o meu calor
Com muito amor
E lhe dizer
Que eu sou o sol
Sou eu que brilho
Pra você meu amor
Não fique zangada quando eu esquento a lua
Nos dias que ela fica minguada
Pois ela dizendo que sente ciúmes de voce
Não quer se enfeitar nem aparecer
Mas quando eu dou meu calor pra ela
Ela fica nova cheia de vida e toda prosa
Começa a brilhar e a aparecer e dizer:
Que eu sou, eu sou o sol
Eu sou o sol
Sou eu que brilho
Pra você meu amor"

O mundo inteiro é uma metáfora para outra coisa qualquer (outra cena de "O Carteiro e o Poeta")


Cena "O Carteiro e o Poeta"

Carteiro: Dom Pablo, estou apaixonado!!
Pablo: Não é grave, há um remédio.
Carteiro: não quero, quero estar doente!! 



Acometado (Mawaca)

"No vai-e-vem e gira-gira do planeta
Vê-se um monte de cabeça que não pára de girar
O corpo segue pra esquerda e pra direita
Bola de tênis-de-mesa: o jogo não pode parar


Quem tá de fora e espia o movimento
Tem certeza no momento: o movimento é pendular
A cabeça pende para um lado e para o outro
Fio de prumo é o corpo quando pode se aprumar

Planeta terra brincando de pega-pega
cometas, de cabra-cega
onde é que isso vai dar?
que vida é essa na ciranda do planeta?
a gente vira pirueta
tudo fora do lugar

Quem tá de longe, acima dos horizontes.
Passageiro de um bonde no espaço sideral
Terá por certo que o tal do bicho-homem
Marionete de arame seu cordão umbilical

Se revogassem essa lei da gravidade
Com o tempo, com a idade, a gente
aprendia a voar:
Nada caía, nem ficava balangando...
De vera que o ser humano ia se eternizar"




O pedido (Elomar)


Frase

"Porque eu só preciso de pés livres, de mãos dadas, e de olhos bem abertos." 


Guimarães Rosa 

Exercício para fazer o amor brotar - por Monja Coen


Pense em alguém que você goste muito.
Do passado, do presente ou do futuro.
Pode ser um bichinho, um brinquedo, uma pessoa, uma criança, uma situação agradável.
Pense e sinta.
Sinta esse amor, agora, aqui, em você.
Conecte-se com o amor que habita você...

Comece a incluir nessa amorosidade todas as pessoas que estão próximas a você.
Vá expandindo sua capacidade de amar.
Inclua todas as pessoas que você conhece.
Agora inclua as que você não conhece.
Inclua próximas e distantes.
Inclua pessoas que você jamais viu.
Os povos africanos, asiáticos, australianos.
Os povos e tribos de toda a Terra.

Inclua em seu amor todo o planeta, com árvores e insetos. Flores e pássaros. Mares, rios, oceanos.
Inclua a vegetação da Amazonia e da Pantagonia.
Inclua o Mar Morto e o Deserto do Saara.

Inclua todas as religiões.
Como se não houvesse dentro nem fora.
Imagine, como John Lennon, que o mundo é um só.
O mundo é uno. O mundo, o universo, o pluriverso é um só.
Nós somos unas e unos com o uno.
Perceba.
Isto que digo é a verdade.
E só há esse caminho.
Somos a vida da Terra.
Somos a vida do Universo.
Somos a vida do Multiverso.
E quando nossos pequeninos corações humanos se tornam capazes a ir além deste saquinho de pele que chamamos o eu, nos contatamos com a essência da vida. Que é a anossa própria essência e de tudo que é, assim como é.
Caminhemos.Tornamo-nos o caminho a cada passo.
Que cada passo seja um passo de paz.
Que nossa mente se abra...
Abertura para o infinito.
Abertura para a imensidão.
Abertura para a ternura.
Abertura para a sabedoria.
Abertura para a compaixão.
Que todos os seres em todas as esferas e todos os tempos se beneficiem com esse amor imenso que aqui e agora juntas, juntos, nos tornamos. E ao nos tornarmos o amor tudo se torna vida e vida em abundância.
Ame e manifeste esse amor agora!
 Mãos em prece
Monja Coen

A moeda da solidariedade (por Leonidas Ntilsizian, da IPS)


Ierapetra, Grécia, 16/3/2012 – “Cuidado. A soda cáustica é perigosa”, grita Rea Pigiaki enquanto mistura o líquido com lavanda para preparar seus sabonetes aromáticos, que são muito famosos nesta pequena localidade do sudeste de Creta. Pigiaki, mãe de três filhos, oferece seus produtos artesanais a integrantes da Rede de Moeda Alternativa de Ierapetra. Ela cobra 1,5 kaereti (a moeda local, digital e também chamada “social” de Ierapetra) por barra de sabonete, e normalmente recebe mel e laranjas em troca de seus produtos. “Em nossos caixas já não há euros. O kaereti parece ser uma resposta ao que está ocorrendo na economia grega”, disse à IPS.
Todos os intercâmbios da rede são registrados em um computador central, onde os membros publicam o que podem oferecer, cobrindo uma ampla variedade de produtos e serviços. Os integrantes anotam os que precisam. Quando dois membros decidem fazer a troca, cada um completa a conta do outro com a quantia acordada em kaereti. O ponto-chave é que não circulam nem euros e nenhuma outra moeda oficial, e que todos os intercâmbios são feitos exclusivamente em kaereti. A palavra “kaereti” pertence ao dialeto local e significa “oferece uma pequena ajuda a alguém que necessita, sem esperar um benefício”.
Pescado fresco, vinho, o famoso licor raki de Creta, café árabe, produtos agrícolas locais, móveis de madeira, artesanato, sabonete biológico, óleos essenciais, chocolate caseiro, joias… Tudo que se imagina é oferecido e trocado rapidamente por meio da rede digital. A rede de produtos tangíveis foi completada com um grande número de serviços e uma força de trabalho bem equipada e pronta para oferecer suas habilidades na hora: eletricistas, encanadores, pedreiros, pintores, jardineiros, artistas gráficos, advogados, contadores, professores de idiomas, dança e música. A lista é interminável.
O mais incomum parece ser alguém que “oferece seus estudos em arquitetura marinha”, contou Alexis Machairas, um dos criadores da rede, que é plenamente autossuficiente e profissional. “A moeda local foi criada em agosto de 2011, e até agora tem participação de mais de 300 membros da sociedade legal”, explicou. “Especialmente nas últimas semanas – quando a economia da Grécia mostrou uma grande queda – a quantidade de membros e transações aumentou rapidamente. No último mês, os membros da rede aumentaram em um terço, e se registra pelo menos uma transação por dia”, acrescentou.
Sem dúvida, a transparência no sistema monetário local é uma grande vantagem. Todos os membros têm acesso à planilha principal, que mostra a hora da transação, os preços e a quantidade de trocas realizadas a cada momento. Um kaereti equivale a um euro, mas os euros não são permitidos dentro da rede. “As moedas alternativas estão dirigidas principalmente aos pobres”, explicou o professor e economia política George Stathakis, da Universidade de Creta.
“Todas as redes alternativas são uma base muito séria para superar os obstáculos que as camadas mais pobres da sociedade enfrentam”, afirmou Stathakis. Assim, ressurgem velhas atividades que ganham um novo valor, gerando emprego simultâneo. “Todos os intercâmbios se baseiam na confiança, transparência e simplicidade. Atualmente, na Grécia funcionam 26 redes diferentes de trocas, embora a do kaereti seja a mais ambiciosa”, destacou. “Até o final do ano, haverá cerca de cem dessas redes na Grécia. Os 300 a mil integrantes de uma rede têm uma boa perspectiva sobre como ter êxito na sociedade local, e, sem dúvidas, receberão grandes benefícios”, acrescentou.
Embora a chamada “moeda social” dê esperanças aos pobres, não soluciona os problemas macroeconômicos da Grécia, já que carece de uma base institucional ou estatal. A qualquer momento, as redes podem ficar à mercê de um centro de arrecadação de impostos, por isso precisa de uma regulamentação legal com urgência, alertou Stathakis. “O kaereti não é um substituto do euro. Funciona em paralelo à economia comum”, esclareceu. Além disso, este tipo de economia tem profundas raízes na região. Até 1960, o sistema de troca ainda regulava o setor agrícola de Creta. “Minha mãe recorda que, até 1959, quando minha família alugava uma casa em Chania, o aluguel era pago em azeite”, recordou o professor.
A economia de escambo permite que os participantes se beneficiem mutuamente. Por exemplo, Kostas, membro da rede kaereti, organiza excursões em seu barco durante o verão, e no inverno cultiva em suas terras, o que lhe permite oferecer azeite e azeitonas na rede. Por outro lado, Dimitris, outro integrante, fornece a Kostas serviços de seguro de automóvel em troca de óleo de oliva. “Ambos ganharemos”, disseram. “Em condições normais, o comerciante cobra 1,80 euro por um litro de azeite de oliva, e o cliente no supermercado normalmente compra a mesma quantidade por cinco euros. Ambos fizemos um acordo por 2,5 kaereti o litro, e entre nós não há intermediário”, explicou Dimitris.
O intercâmbio fica imediatamente registrado na rede, Kostas somará mais kaereti à sua conta e, após alguns meses vendendo seu azeite, pedirá a Dimitris que faça um seguro anual para seu carro. Atualmente, em Ierapetra, “os membros da rede pagam as contas dos idosos, oferecem traslados a outros habitantes do lugar e inclusive cuidam de seus filhos”, conta Ioanna, uma funcionária social da rede. “Os vínculos entre os integrantes se fortalecem a cada dia. Eles tomam conta das necessidades reais dos demais. Além disso, cada um pode mostrar as habilidades que possui. Há integrantes que podem consertar cadeiras de madeira e agora se sentem úteis e produtivos”, ressaltou.
A falta do euro abre a porta para a solidariedade entre os integrantes da comunidade do kaereti, o que representa uma efetiva via de saída de uma crise econômica nascida da especulação financeira. Os membros da rede kaereti citam com frequência o prêmio Nobel de Literatura, Giorgos Seferis, que afirmou que, em um mundo cada vez menor, cada um necessita de todos os demais. Envolverde/IPS

segunda-feira, 19 de março de 2012

Um Bigo

O meu Umbigo,
Não pode conversar com o seu
Umbigo,
Porque ambos estão muito ensimesmados,
cada um
Consigo.


Para versar Contigo,
Meu Uni verso
Namora
A tua versão, 
Ah, Coração...
O inverso com o umbigo de fora...