Páginas

terça-feira, 19 de fevereiro de 2008

Momentos Históricos

Hoje senti uma ponta de orgulho por viver num período do tempo que abriga tantos acontecimentos que ficarão marcados para sempre na história da humanidade.

Talvez seja um lado romântico, um lado de fantasia infanto-juvenil que aflora quando passo a notar que “puxa, estou fazendo parte da História da Humanidade”...

É como se estivesse inserido dentro dos livros que estudava na escola.

O que antes, só lia, decorava e esquecia....agora interajo, testemunho, opino.

Minha geração já viu o fim da ditadura no Brasil e a volta das eleições diretas, impeachmeant de presidente, o fim da guerra fria, o desmantelamento da poderosa União Soviética e a conseqüente transformação política de vários países do leste europeu.

A derrubada do Muro Berlim!

Hoje leio que Fidel Castro, por motivos de saúde renunciou ao poder em Cuba.
Não tenho condições ainda de fazer uma reflexão política do que representou Fidel e do que sua renúncia representará, para os cubanos e o mundo todo.

Neste momento só partilho a estupefação de estar vivo, acompanhando mais um capítulo histórico, que certamente entrará nas páginas de outros livros, que serão lidos por meu filho, meus netos, e por aí vai.

Isso não deixa de despertar em mim aquela sensação de dar uma espiadela fora do umbigo e ver: “Nossa, quanta coisa tem aqui fora!!!”, afinal, além de pagar minhas contas, ir para a faculdade, trabalhar, enfim, toda a dor e delícia do meu cotidiano, do meu universo particular, também faço parte de outros contextos (sociais, políticos, genéticos, religiosos, culturais, etc, etc. e muito etc...).

Tem coisas que parecem tão grandes!

Ou será que é tudo ilusão mesmo, somos só gás e poeira viajando pelo cosmos, partículas nanicas brincando de aprender a ser humanos?

Um comentário:

Fred disse...

Carlos!
Tudo é muito grandioso, importante... Mas tudo tbm não passa de uma ilusão, ao menos para nós aqui nesse mundo. O negócio é manter esse romantismo, essa alegria fantasiosa da vida. Saber viver! E, claro, continuar a escrever no blog, hein?!
Abraços e obrigado pelas palavras!
Fred