Páginas

terça-feira, 19 de agosto de 2008

Ao Hypólito

Você não amarelou.

A não ser, no bom sentido, de fazer a torcida brasileira, vestir o amarelo para torcer por sua medalha.

Você não deve nada, absolutamente, a nós, torcedores, à sua equipe ou aos seus patrocinadores.

Não caia na armadilha da imprensa de lhe impor motivos pela queda, falta de concentração, excesso de confiança, etc.

Sem concentração e confiança, você jamais teria chegado aonde chegou.

Caiu?
E quem de nós não cai?

Quem de nós faz do seu trabalho, um esporte?

Quem de nós dedica a vida a uma paixão, mesmo que ela nos exija tanta disciplina, dores físicas, uma rotina massacrante e mesmo com todos esses ingredientes, se tornar parte da elite mundial dos praticantes dessa paixão?

Permita-me dizer, que seu sincero pedido de desculpas aos brasileiros, não nos cabe.

Talvez, todos os brasileiros é que devêssemos pedir desculpas, por não termos torcido o suficiente, por não termos acreditado o suficiente, por não sermos bons, o suficiente, para torcer e, independente do resultado, lhe mostrar que você é um vencedor, e aqui não cabe nenhuma tentativa de consolação, você é um VENCEDOR mesmo, e sendo assim, nos faz também, vencedores.

Você, e todos os membros da equipe de ginástica, cumprem essa “função” do esporte, de servir de exemplo para nos tornamos melhores naquilo que fazemos.

Desculpe-nos, Diego, se fizemos você sentir uma obrigação exagerada de vencer.

Sinto que não a temos.

Temos obrigação de fazer o nosso melhor, e nisso, não tenho dúvidas que você leva medalha de ouro.

Obrigado, Diego!

3 comentários:

Marcelo disse...

Gostei deste texto, pois todo mundo está criticando o Diego Hipólito, mas ninguém quer saber o que ele já teve de superar para representar o nosso país numa olimpíada.
Esse rapaz já é um vitorioso!!!

Carioca

Anônimo disse...

Olá Carlos, muito boa a sua idéia...gostei muito do blog e vc tem td para dar certo...bjus...Mônica

Patricia Jacob disse...

Puxa, que legal isso! Vc deu jeito de que esse texto chegasse até ele, Carlos?